Em janeiro de 1942, o Brasil ganhou aquele que se tornaria o mais emblemático veleiro de sua história: o Vendaval, um Sparkman & Stephens, de 65 pés, projetado nos Estados Unidos, mas construído no Rio de Janeiro.

 

Seu dono era José Cândido Pimentel Duarte, um aficionado por um esporte que praticamente nem existia no país: as regatas oceânicas de longo percurso.

 

Quando o barco ficou pronto, José Cândido decidiu criar uma grande regata para impulsionar as competições do gênero no Brasil.

 

Tomou, então, com o próprio Vendaval, o rumo da Argentina e foi convencer os vizinhos a aderirem a uma competição de longo percurso, entre Buenos Aires e o Rio de Janeiro.

 

Não foi difícil conseguir a adesão dos argentinos, até então bem mais evoluídos que os brasileiros nos esportes náuticos. Sobretudo nas regatas com barcos de oceanos.

 

Cinco anos depois, graças ao empenho de José Cândido, aconteceu a primeira edição daquela que acabaria por se tornar a mais tradicional regata da América do Sul – e que é disputada até hoje.

 

No comando do próprio Vendaval, José Cândido por muito pouco não venceu a primeira Buenos Aires-Rio, que ficou marcada por uma das mais empolgantes chegadas da história das regatas de longo percurso do continente.

 

Os barcos já estavam há 11 dias no mar, quando, na manhã de 15 de janeiro de 1947, os dois ponteiros, o Vendaval e o veleiro argentino Alfard, entraram, praticamente lado a lado, na Baía de Guanabara, reta final da regata.

 

Da orla da cidade, os cariocas, que mal sabiam o que era uma regata, acompanhavam de binóculos a disputa entre os dois barcos. Horas antes, os moradores das praias da Zona Sul do Rio de Janeiro haviam sido convocados, pelo rádio, a piscarem incessantemente as luzes dos seus apartamentos, a fim de incentivar o barco brasileiro.

 

A vantagem do Vendaval era mínima, mas suficiente para ele chegar à frente. Só um capricho dos ventos ou uma inesperada calmaria poderia roubar-lhe a vitória, já perto de ser concretizada.

 

E foi exatamente o que aconteceu.

 

De repente, o vento rondou e o barco brasileiro estancou no meio da baía, enquanto o veleiro argentino, que era bem mais leve e vinha num rumo mais rente à costa, seguiu em frente.

 

A ultrapassagem aconteceu a míseros 50 metros da linha de chegada — uma decepção só comparável à derrota brasileira para a seleção uruguaia na final da Copa do Mundo no Maracanã, três anos depois.

 

Na chegada, a diferença a favor do barco argentino foi de apenas minuto e meio.

 

Em seguida, porém, veio a manobra ainda mais inesperada. Num gesto de extremo cavalheirismo, o comandante brasileiro derrotado vestiu um terno e foi pessoalmente cumprimentar o vencedor.

 

A imprensa argentina ficou tão surpresa com o gesto cordial de José Cândido que o chamou de “más grande perdedor del mundo”, nos jornais do dia seguinte.

 

Depois de inspirar os velejadores brasileiros a se lançarem mar afora, o patriarca das nossas regatas oceânicas ensinara, também, como perder com elegância na raia.

 

Na ocasião, além de felicitar o capitão argentino pela vitória, José Cândido lançou um desafio: o de os dois voltarem a se encontrar no ano seguinte, nas duas principais regatas do Rio da Prata: a Buenos Aires-Mar del Plata e a Mar del Plata-Punta del Este – que o Vendaval, desta vez, venceu com sobras.

 

A dramática derrota do Vendaval na primeira Buenos Aires-Rio logo foi apagada por uma fantástica sucessão de vitórias.

 

E a empolgante disputa com os argentinos deixou José Cândido ainda mais entusiasmado para a segunda edição da Buenos Aires-Rio, com o Vendaval, em 1950.

 

Mas ele não pode participar.

 

Pouco antes disso, José Cândido descobriu que tinha leucemia e viajou para os Estados Unidos, para tratar da saúde.

 

Mas fez questão que o seu barco participasse da competição que ele criara.

 

Nomeou o amigo Hélio Leôncio Martins comandante do Vendaval e colocou seus dois filhos, José Luiz e Fernando, ambos então jovens adolescentes, como tripulantes.

 

Para alegria de José Cândido, o Vendaval foi o primeiro barco a chegar ao Rio de Janeiro, sozinho e distante dos adversários, recebendo assim a Fita Azul da regata – embora, no tempo corrigido, tenha caído para o terceiro lugar.

 

O Vendaval era um veleiro excepcional para a época. Seu mastro media 25 metros de altura e, embora fosse um barco para correr regatas, tinha uma cabine repleta de mordomias, com uma grande sala, cozinha e camas para 14 tripulantes – algo incabível para os padrões atuais dos veleiros de competição.

 

Além disso, pesava uma barbaridade. Nada menos que 36 toneladas, outro absurdo se comparado aos barcos atuais de regata.

 

E foi o seu peso excessivo, mesmo para os padrões daquela época, que acabaria decretando a sua aposentadoria das regatas, anos depois.

 

Antes, porém, o Vendaval fez ainda mais história.

 

Em 1949, com o próprio José Cândido ao comando e os dois filhos a bordo, tornou-se o primeiro barco brasileiro de passeio a navegar até a distante Ilha de Trindade, o ponto mais avançado do território brasileiro no Atlântico, a 800 milhas do continente.

 

O objetivo seguinte de José Cândido era navegar com barco até a Europa e os Estados Unidos, algo até então também inédito para um veleiro de cruzeiro brasileiro.

 

Mas, não deu tempo.

 

José Candido morreu em 1950, deixando o comando do Vendaval nas mãos de seu filho, Fernando José Pimentel Duarte, que manteve a saga pioneira do pai.

 

Com Fernando ao comando, o Vendaval foi Fita Azul, também, na primeira regata Santos-Rio, em 1951 – outra competição que se pai estimulara a criação, desde que, nove anos antes, empreendera outra pioneira travessia com o recém-lançado veleiro entre as duas cidades.

 

Como, em 1942, o mundo vivia os temores da Segunda Guerra Mundial, o velho José Cândido precisou de muita persuasão para convencer os oficiais da Marinha Brasileira de que poderia fazer aquela viagem em segurança.

 

E fez, apesar dos riscos – reais – de topar com algum submarino alemão no caminho.

 

Com isso, José Cândido inaugurou, também, a era das grandes travessias de lazer do país. E tornou-se uma espécie de embrião dos nossos atuais cruzeiristas.

 

Com o tempo, porém, o Vendaval foi ficando cada vez menos competitivo nas regatas, por conta do seu peso exagerado – e do surgimento de barcos nacionais bem mais leves e modernos.

 

Fernando, então, decidiu vender o barco. Foi o começo do fim do lendário veleiro.

 

A partir daí, o Vendaval foi trocando de mão em mão e colecionando novos donos. Ao final de sua saga, somava perto de dezena de ex-proprietários, nem todos tão zelosos com o barco quanto o seu criador, José Cândido.

 

Primeiro, Fernando vendeu o barco para o empresário Nelson Escobar, que o levou para Salvador e o rebatizou de Noroeste.

 

Em 1969, o barco foi uma vez mais vendido e renomeado Vendaval V, nome que, logo depois, mudaria para Don Luis.

 

O nome original só retornou ao velho barco de madeira em 1973, quando o Vendaval foi comprado por uma empresa de engenharia, que, no entanto, quatro anos depois, o repassou a outro compardor, que o mandou de volta à Salvador.

 

O dono seguinte do Vendaval foi um oficial da Marinha no Rio de Janeiro, o capitão-de-corveta Carlos Henrique Ferreira Braga, que, no entanto, não ficou muito tempo com o barco.

 

Em 1984, incomodado com as frequentes manutenções que era obrigado a fazer no já velho barco, Braga doou o Vendaval à Escola Naval do Rio de Janeiro, que tratou de fazer uma ampla reforma no veleiro, incluindo a instalação de um novo mastro.

 

Mas o trabalho não foi tão bem executado. Quando voltou para o mar, o Vendaval já era um veleiro desfigurado.

 

Nos dez anos em que ficou sob a guarda da Marinha, o Vendaval entrou em uma lenta e penosa decadência, e foi sendo adulterado e desmantelando aos poucos.

 

Até, que, ao ser negociado (em troca de um simples guindaste) com o francês Jean Bardot, dono de uma metalúrgica nos arredores do Rio de Janeiro, mal passava de uma pilha de madeiras desconexas.

 

Bardot comprara os escombros do barco incentivado pelo amigo Jean Maligo, um ex-tripulante do Vendaval. Juntos, os dois tinham planos de fazer o veleiro voltar aos seus dias de glória. Mas não conseguiram.

 

A falta de recursos e de patrocinadores interessados em bancar a reconstrução do barco, já então resumido a alguns cavernames do casco espalhados no fundo de um galpão, levou os dois amigos, ambos com a saúde já debilitada, a desistirem de vez da empreitada.

 

Até porque não seria um trabalho de restauração, mas sim a construção de uma espécie de réplica do barco, a partir das únicas partes originais do Vendaval que restavam.

 

Maligo morreu logo depois, quase na mesma época que o filho de José Cândido, Fernando, desgostoso de ver o veleiro que dera régua e compasso à vela oceânica brasileira virar sucata, sobretudo depois que ladrões levaram sua quilha (para retirada do chumbo que lhe servia de lastro) e mastro.

 

O mitológico barco que abriu caminho para toda uma legião de velejadores oceânicos brasileiros hoje não existe mais.

 

Acabou, apodrecido, sucateado e esquecido no fundo de um galpão, a muitos quilômetros do seu habitat natural, o mar – onde, sob o comando do pioneiro José Cândido Pimentel Duarte, protagonizou algumas das mais relevantes façanhas da vela brasileira.

 

Em vez de ir para um museu, o primeiro veleiro de oceano que o Brasil teve foi parar no último lugar onde um barco tão icônico poderia ter terminado os seus dias. No lixo.

 

0 comentários

Compartilhe!