Em 1998, o nadador francês, naturalizado americano, Benoit Lecomte protagonizou um feito sem igual: atravessou o Atlântico Norte a nado, dos Estados Unidos à França. A façanha durou 73 dias, mas, obviamente, Lecomte não nadou sem parar.
Para vencer o oceano no braço, ele teve a ajuda de um barco de apoio, ao qual recorria para dormir, comer e descansar, fato que levantou suspeitas sobre a legitimidade da sua travessia, já que, enquanto ele dormia, o barco seguia navegando, poupando assim braçadas ao nadador.

Além disso, exausto, ele também fez uma parada de uma semana nas ilhas dos Açores, para descansar, antes de voltar para o mar e nadar até a costa da Bretanha.
Para proteger o nadador, o barco que o acompanhava era equipado com um sistema eletromagnético que afastava os tubarões na água. Mesmo assim, em alguns trechos, Lecomte foi sinistramente seguido por barbatanas.

Mas nem isso interrompeu sua obstinada jornada, que teve por objetivo colher donativos para uma campanha de combate ao câncer, em homenagem ao seu pai, morto pela doença um pouco antes – além de torná-lo mundialmente famoso.

No entanto, ao chegar a costa francesa, Lecomte garantiu que jamais tentaria nada igual. Mas voltou atrás e, neste exato momento, está no 180º dia de uma nova travessia, desta vez ainda mais extraordinária: ele está cruzando o Pacífico a nado, entre o Japão e a costa Oeste dos Estados Unidos.

Mas, para evitar as mesmas críticas que recebeu quando cruzou o Atlântico (naquela ocasião, um cálculo feito por especialistas mostrou que, graças à ajuda do barco, ele só teria efetivamente nadado pouco mais da metade da distância), desta vez, todas as vezes que Lecomte para de nadar o barco também para, para que ele retome a travessia do mesmo ponto.

A ousadia ainda vai durar alguns meses.

Foto: The Longest Swim

O mais absurdo dos acidentes marítimos

O mais absurdo dos acidentes marítimos

66 anos atrás, a imprudência de um comandante e a displicência de outro geraram uma tragédia até então inédita: dois transatlânticos colidiram em pleno oceano. E um deles afundou em seguida. A colisão do navio italiano de cruzeiros Andrea Doria com o também...

ler mais
O inglório fim do barco-orgulho dos americanos

O inglório fim do barco-orgulho dos americanos

A America´s Cup, a regata mais famosa do mundo e também a mais antiga competição ainda em disputa entre todos os esportes, foi assim batizada por causa de um barco: o iate americano America, cuja história foi realmente digna de tal homenagem. Ele foi construído em...

ler mais
O caçador de tesouros que jamais desistiu

O caçador de tesouros que jamais desistiu

Poucas coisas mexem tanto com a imaginação das pessoas quanto à caça a um tesouro. Todo mundo sonha com isso. Mas, no mar, este sonho é perfeitamente possível de se realizar – porque, como as riquezas do passado eram transportadas em barcos, que não raro afundavam, é...

ler mais
O incrível casal que o mar não conseguiu levar

O incrível casal que o mar não conseguiu levar

Maralyn e Maurice Bailey eram um típico casal do interior da Inglaterra, mas com um sonho não tão comum assim: construir um veleiro e sair navegando pelo mundo. Queriam, sobretudo, ir velejando até a distante Nova Zelândia. Em 1967, depois de vender a casa onde...

ler mais

O mais absurdo dos acidentes marítimos

O mais absurdo dos acidentes marítimos

66 anos atrás, a imprudência de um comandante e a displicência de outro geraram uma tragédia até então inédita: dois transatlânticos colidiram em pleno oceano. E um deles afundou em seguida. A colisão do navio italiano de cruzeiros Andrea Doria com o também...

ler mais
O inglório fim do barco-orgulho dos americanos

O inglório fim do barco-orgulho dos americanos

A America´s Cup, a regata mais famosa do mundo e também a mais antiga competição ainda em disputa entre todos os esportes, foi assim batizada por causa de um barco: o iate americano America, cuja história foi realmente digna de tal homenagem. Ele foi construído em...

ler mais
O caçador de tesouros que jamais desistiu

O caçador de tesouros que jamais desistiu

Poucas coisas mexem tanto com a imaginação das pessoas quanto à caça a um tesouro. Todo mundo sonha com isso. Mas, no mar, este sonho é perfeitamente possível de se realizar – porque, como as riquezas do passado eram transportadas em barcos, que não raro afundavam, é...

ler mais
O histórico barco que acabou quando foi resgatado

O histórico barco que acabou quando foi resgatado

Os Grandes Lagos são como uma espécie de mar interior, na fronteira entre os Estado Unidos e o Canadá. São enormes e frequentemente açoitados por ventos fortes, que erguem vagas inimagináveis para um lago. Pois foi nesse ambiente muitas vezes hostil que, em junho de...

ler mais