Em maio de 1915, a Inglaterra estava em apuros com os alemães e precisava convencer os Estados Unidos a ajudá-la na Primeira Guerra Mundial.

Surgiu, então, o que poderia ser uma oportunidade: um navio inglês de alto luxo, o Lusitânia, estava partindo de Nova York abarrotado de passageiros ingleses e americanos.

Cheios também estavam os seus porões – só que com uma carga altamente explosiva: munições que a Inglaterra contrabandeava dos Estados Unidos.

Um mês antes, os jornais americanos haviam publicado um aviso da embaixada da Alemanha de que, a partir daquela data, todos os navios ingleses e de seus aliados estariam sujeitos a serem atacados.

Mesmo assim, dias depois, o Lusitânia, então o maior transatlântico da empresa inglesa Cunard, partiu de Nova York com destino a Liverpool, levando quase 2 000 pessoas e aquela perigosa carga.

A travessia do Atlântico Norte transcorreu sem nenhum contratempo.

Mas, na manhã de 7 de maio, ao chegar à zona mais crítica da viagem, junto à costa da Irlanda, onde sabidamente abundavam os submarinos alemães, o comandante do Lusitânia recebeu estranhas ordens do Almirantado Britânico, então chefiado por Winston Churchill.

As ordens mandavam o navio se aproximar bastante da costa, o que limitava sua capacidade de manobra, e interromper a navegação em ziguezagues, como recomendavam as precauções em tempos de guerra.

Além disso, o cruzador Juno, que seria enviado para proteger o transatlântico, não apareceu no local determinado.

O resultado foi uma terrível tragédia, para muitos covardemente premeditada pelos próprios ingleses.

Para se proteger de um possível ataque alemão, o comandante do Lusitânia contou apenas com o espesso nevoeiro daquela manhã na costa irlandesa, que, no entanto, também o impediu de navegar mais rápido.

Assim sendo, navegando a baixa velocidade, em linha reta e sem as habituais manobras de defesa, que confundiam os radares inimigos, o Lusitânia virou alvo fácil para o submarino alemão U 20, que navegava submerso, em busca de uma alguma presa.

E o que ele encontrou foi um verdadeiro prêmio: um grande transatlântico, navegando sem nenhuma escolta.

O torpedo atingiu o meio do casco do Lusitânia com precisão germânica, e o seu rastro de morte na água, vindo na direção do navio, foi testemunhado por alguns passageiros que estavam no convés.

E imediatamente após o impacto, ocorreu uma segunda explosão, ainda mais forte: possivelmente a da munição que o próprio navio transportava, embora isso jamais tenha sido comprovado

Outras suspeitas recaíram sobre as caldeiras do Lusitânia, que poderiam ter explodido com o choque do torpedo.

Certo é que a segunda explosão pôs o grande transatlântico a pique em pouquíssimo tempo.

Em apenas 18 minutos ele afundou por completo.

Tão rápido que não deu tempo nem de baixar todos os botes salva-vidas para os que sobreviveram as explosões.

Muitos outros passageiros morreram afogados.

Para completar o cenário da tragédia, os primeiros barcos de regaste só chegaram ao local duas horas depois, apesar da proximidade com a costa.

E nem assim o cruzador Juno, que deveria ter escoltado o Lusitânia, apareceu para ajudar.

Uma das explicações para isso é que o governo inglês tenha tido receio de perder um valioso navio de guerra para o mesmo submarino alemão que torpedeara o transatlântico, e que poderia ter ficado de tocaia na região.

A macabra contabilidade do episódio foi de 1 195 mortes, entre as 1 959 pessoas que havia a bordo do Lusitânia — quase o mesmo que o Titanic, três anos antes.

Nos Estados Unidos, a indignação com a morte de tantos cidadãos americanos pressionou o governo americano a aderir a guerra mais tarde, como aliado da Inglaterra, apesar dos indícios de que poderia ter sido o próprio Churchill que teria tramado (ou, ao menos, facilitado) o ataque ao transatlântico.

Se este era o plano, deu certo.

Gostou desta história?

Ela faz parte do livro HISTÓRIAS DO MAR – 200 CASOS VERÍDICOS DE FAÇANHAS, DRAMAS, AVENTURAS E ODISSEIAS NOS OCEANOS, que por ser comprado clicando aqui, pelo preço de R$ 49,00, com ENVIO GRÁTIS